Foram divulgados, no fim da semana passada, os resultados de um estudo da comScore sobre o comércio eletrônico na América Latina. A pesquisa contou com aproximadamente 800 participantes e analisou o e-commerce no Brasil, México, Argentina, Chile e Peru, assim como o comportamento com transações bancárias online, atividade em celulares e o uso do Twitter. O estudo descobriu que apesar de a maioria dos visitantes a sites de comércio virtual na América Latina realizar compras online, o e-commerce ainda enfrenta obstáculos para converter os visitantes devido a preocupações sobre a segurança das transações, opções de pagamento e à seleção de produtos. Os resultados do estudo também foram apresentados à Associação de Comércio Virtual da América Latina em Bogotá no dia 1° de dezembro.

“Em comparação a outras regiões globais, a indústria ainda está engatinhando, mas os consumidores estão mostrando fortes indícios de adesão,” disse Alejandro Fosk, vice presidente da comScore na América Latina. “Com 3 de cada 5 usuários da Internet na América Latina visitam sites de comércio eletrônico todo mês, fica claro que os consumidores tem interesse. Para converte-los, os vendedores precisam considerar as preocupações dos consumidores para ajudar a indústria de comércio virtual a alcançar seu potencial completo na região.” Para isso o PagSeguro está aqui: garantir a segurança do consumidor e a do vendedor.

Visitantes brasileiros são mais dispostos a comprar

Entre aqueles que visitaram sites de comércio virtual da América Latina, 79% dos homens reportaram haver feito uma compra on-line, enquanto 88% das mulheres reportaram o mesmo. Entre os mercados incluídos na pesquisa, o Brasil mostrou a maior porcentagem de conversão de visitantes, com 94% dos consumidores no Brasil comprando online. A Argentina veio logo depois com 89%, e 84% de visitantes a sites na Colômbia apresentaram o mesmo comportamento.

A maior preocupação é com segurança

Dentre aqueles que não realizaram compras on-line, motivos de segurança são a maior preocupação. 68% das mulheres listaram a questão da segurança como uma razão para não comprar online, com 48% dos homens reportando a mesma razão. A preferência por comprar pessoalmente ao invés de virtualmente também foi um obstáculo expressivo às compras online, com 38% dos homens e 32% das mulheres reportando este motivo. Os consumidores também alegaram que as opções de pagamento oferecidas inibiram sua adesão às compras virtuais (35% de homens, 32% de mulheres), assim como os custos de frete (30% de homens, 42% de mulheres).

Na Argentina, a preferência é por sites locais

Na comparação entre compras em sites locais ou internacionais, a pesquisa revelou que os consumidores na Argentina tem forte preferência pelo comércio eletrônico local, com 3 entre cada 4 consumidores preferindo essa opção. Mais da metade dos consumidores no Brasil e na Colômbia também preferem o e-commerce nacional, enquanto um pouco mais da metade dos consumidores no México, Chile e Peru escolheu os sites internacionais para realizar suas compras.