O que é liquidez? Saiba quais são os tipos e como funciona!

Resumo do texto

  • Entenda o que é a liquidez e como ela funciona no mercado financeiro;
  • Descubra o que é mais importante: liquidez ou rentabilidade;
  • Saiba como a liquidez impacta nos investimentos.

 

Você sabe o que é liquidez? Ela é uma das palavras mais comuns no dicionário dos investimentos e é usada para definir a facilidade de transformar um ativo — como uma aplicação financeira ou um imóvel — em dinheiro na sua mão.

Entender o que esse termo significa é tão importante quanto saber a rentabilidade de um produto. Por isso, aprenda o que é liquidez e como ele impacta seus investimentos.

Boa leitura!

Artigos que podem ser do seu interesse:

Aprenda o que é liquidez e como ela afeta os investimentos

O que é alta e baixa liquidez?

Quanto mais rápido você consegue transformar um ativo em dinheiro, maior é a liquidez dele. Então, quando algo tem baixa liquidez, significa que transformá-lo em dinheiro pode demorar um pouco.

Para que não fique nenhuma dúvida, considere um ativo como sendo:

  1. um investimento (como ações de uma empresa, CDBs e poupança);
  2. um imóvel (apartamento, casa ou terreno).

Esses não são os únicos tipos de ativos que existem, porém, são exemplos úteis para explicar o que é liquidez. Entenda melhor:

Alta liquidez

Um exemplo de alta liquidez são investimentos em CDBs que não possuem carência. Quando você pede o resgate do investimento (ou quando chega a data de vencimento), basta poucos dias para o valor investido ser liquidado e encaminhado para sua conta.

Outro investimento em renda fixa que possui alta liquidez é o Tesouro Selic. Aplicações em renda variável, como ações da bolsa, também podem se encaixar.

Baixa liquidez

Para te contar o que é baixa liquidez, vamos de exemplo: digamos que você tem um apartamento à venda por R$350 mil. 

Até encontrar um comprador pode levar meses ou até anos. Depois, ainda é preciso levantar a documentação necessária e atender outras burocracias.

Ativos com baixa liquidez podem demorar para serem vendidos pelo preço que valem, então eles podem sofrer uma redução no valor para serem liquidados rapidamente. Isto é chamado risco de liquidez.

Como identificar uma boa liquidez?

Para entender melhor a liquidez de investimentos, lembre-se desses três fatores:

Prazo de carência

Sabe quando você contrata um plano de saúde e precisa esperar um tempo até começar a usar? Esse é o prazo de carência.

Nos investimentos também existe esse prazo, que é o tempo mínimo que seu dinheiro precisa ficar aplicado. Durante esse período, a liquidez do investimento é zero e você não pode resgatar os valores investidos.

Então quanto menor a carência, mais alta é a liquidez de um investimento.

Prazo de vencimento

É a data que o valor investido retorna para a conta do investidor com os juros ganhos durante o período em que o dinheiro foi aplicado. 

Nem todas as aplicações possuem um prazo. Algumas seguem sem uma data de término, como ações e fundos.

Prazo de resgate

É a facilidade para resgatar o valor aplicado em algum investimento juntamente com a rentabilidade. Investimentos de liquidez diária são aqueles onde o dinheiro cai na conta do investidor no próximo dia útil, depois de solicitar o resgate do investimento.

Já as ações de empresas são liquidadas em dois dias. Então, ao vender uma ação, o dinheiro volta para a conta após dois dias úteis depois da solicitação.

Quais são os tipos de liquidez financeira?

A liquidez é definida conforme os dias necessários para seu investimento se transformar em dinheiro na conta. Veja abaixo:

  1. D+0: pedindo o resgate hoje, o dinheiro estará na conta até o final do dia, no máximo. Aqui entram investimentos como a poupança;
  2. D+1: você pede o resgate hoje e em até 1 dia útil o dinheiro fica disponível na conta. Os CDBs PagBank e títulos públicos são exemplos;
  3. D+30: o dinheiro está na conta em 30 dias após a solicitação. Essa liquidez é utilizada em fundos como multimercados, fundos de ações etc;
  4. D+60: o valor retorna para a sua conta em 60 dias depois da solicitação.

Liquidez e rentabilidade: qual é mais importante?

Depende do seu objetivo com o investimento. Se você deseja aplicar o dinheiro para fazer uma festa de casamento, por exemplo, a liquidez vai pesar menos do que a rentabilidade.

Afinal, você já tem um prazo para resgatar suas economias, podendo escolher por investimentos com o prazo de vencimento próximo à data da cerimônia ou aplicações sem prazo de vencimento. 

Agora, se o seu objetivo é trocar de celular em seis meses, o melhor é optar por aplicações com a liquidez mais alta e uma carência menor.

Por isso é importante se planejar pois, ao estabelecer metas de curto, médio e longo prazo, fica mais fácil saber o que priorizar, liquidez ou rentabilidade.

Para aprender mais sobre os investimentos, confira informações importantes sobre renda fixa e variável e os riscos de aplicações financeiras!

Conheça os investimentos do PagBank e faça sua escolha

Agora que você aprendeu mais sobre o que é liquidez, que tal começar a investir? No super app PagBank você encontra diversas opções para iniciar, dar mais rentabilidade a sua carteira ou diversificar! 

Conheça os investimentos disponíveis no PagBank!

“Este canal tem como única intenção fornecer um panorama sobre as diferentes categorias de produtos de investimentos disponíveis no mercado. Os conteúdos não têm o objetivo de oferecer análise de valores mobiliários ou recomendações de investimento, considerando que os produtos apresentados podem não ser adequados aos objetivos, situação financeira ou necessidades individuais de cada usuário. O PagSeguro PagBank se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que decorram da utilização de seu conteúdo, bem como por eventuais informações fornecidas por terceiros, que não expressam a opinião do PagSeguro PagBank. As projeções e preços apresentados estão sujeitos a variações e as informações podem não estar atualizadas no momento exato da consulta do material. Antes de tomar qualquer decisão, é recomendado que o leitor busque orientação financeira independente e leia atentamente os materiais técnicos relativos a cada produto.”