Resumo do texto

  • Já ouvir falar em taxa Selic? Sabe o que ela significa e como ela impacta a sua vida?
  • A Selic é a taxa básica de juros do Brasil, e seus efeitos na economia são muito importantes, tanto quando o assunto é inflação quanto em relação aos investimentos financeiros e juros que você paga sobre empréstimos e financiamentos bancários;
  • Descubra tudo sobre a Selic e saiba como ela se relaciona com a sua poupança e os investimentos que você faz.

 

Todo mundo que assiste noticiários ou lê jornais já se deparou com a palavra “taxa Selic”, certo? De forma simples, podemos defini-la como a taxa básica de juros do Brasil.

Isso significa que tanto dívidas (como financiamentos ou empréstimos pessoais) quanto aplicações financeiras (como o CDB) apresentam juros maiores ou, no mínimo, iguais ao da Selic.

Ainda não entendeu? Fique tranquilo. Hoje nossa missão é te ensinar tudo sobre a Selic, então, basta acompanhar os próximos tópicos para ficar por dentro do funcionamento desse indicador, como ele é calculado e qual é a sua influência sobre a economia brasileira e sobre os investimentos. Preparado?

O que é Selic?

Selic é uma sigla para Sistema Especial de Liquidação e Custódia. Sim, a Selic é um sistema digital que registra as compras e vendas de títulos públicos federais pelas instituições financeiras. Esses títulos são parte da dívida interna do Brasil, que o governo coloca à venda como uma forma de captar dinheiro.

O que é taxa SELIC?

A taxa SELIC é a taxa básica de juros. Ela influencia todas as demais taxas de juros no Brasil, desde os juros aplicados em empréstimos até a rentabilidade das aplicações financeiras.

A taxa é atualizada a cada 45 dias pelo COPOM (Comitê de Política Monetária). Nessa atualização a taxa pode reduzir, se manter estável ou até mesmo subir. Aposto que você já ouviu isso sendo comentado em notícias de economia na TV, não?

Como a taxa é calculada?

A taxa Selic é calculada dentro do sistema, o Selic. A conta é um pouco complicada de explicar, mas vamos simplificar dividindo em 4 etapas:

  1. O Governo pede dinheiro emprestado para os bancos para financiar os projetos, e dá como garantia os títulos públicos;
  2. Bancos que recebem esses títulos podem comercializá-los como investimentos para clientes ou usá-los como garantia em empréstimos interbancários (feitos de banco para banco);
  3. As transações feitas entre os bancos e o Governo são computadas no Selic;
  4. A média ponderada dos juros usados nessas transações dá origem à taxa Selic.

Esse cálculo dá origem à Selic Over, que é a taxa de juros praticada no mercado quando os bancos emprestam dinheiro entre si, utilizando os títulos emitidos pelo governo como garantia.

Já a Selic Meta é determinada pelo Comitê de Política Monetária (COPOM) a cada 45 dias (dada as necessidades das políticas econômicas) e funciona como referência para as transações bancárias. A Selic Over, então, tem como base a Selic Meta.

Quando a Over começa a se distanciar da Meta, o Banco Central compra ou vende títulos para manter as duas sempre próximas.

Como a Selic influencia minha vida financeira?

Os efeitos da Selic variam de acordo com a flutuação da taxa. Quando a Selic está baixa, os efeitos são:

  1. Aumento da inflação e preços mais baixos. Isso acontece pois, quando os juros estão baixos, as pessoas têm menos propensão a investir, então gastam mais e poupam menos. Com mais dinheiro circulando os preço são pressionados a subir. Quando o país tá precisando aquecer (como agora, que as pessoas estão com medo de gastar), os juros são baixados para incentivar o consumo;
  2. Menor taxa de juros em empréstimos e financiamentos obtido com bancos;
  3. Queda na rentabilidade em investimentos de renda fixa, como a poupança.

Quando se falar em corte na Selic, o que acontece é uma redução da taxa básica de juros, que acarreta nos efeitos que listamos acima.

Agora, quando a taxa recebe um aumento, as consequências são:

  1. Controle da inflação. Quando a Selic e os juros estão altos, é muito mais atrativo poupar, para ganhar com juros altos. Os empréstimos também ficam mais caros, que te desincentiva a pegar dinheiro emprestado. Assim, circula menos dinheiro na economia que, consequentemente, desaquece;
  2. Mais juros são cobrados sobre empréstimos e financiamentos bancários;
  3. Maior rentabilidade em investimentos de renda fixa.

Resumindo: a taxa Selic funciona como uma ferramenta para controlar a economia e o comportamento de consumo das pessoas, inflação, preços e o dinheiro que circula na economia.

O histórico da Selic

O COPOM faz o cálculo da Selic desde 1996, e todos os índices mensais e anuais são registrados pelo Banco Central. O histórico de flutuação da Selic diz muito sobre o momento da nossa economia nesses últimos 24 anos. As taxas podem ser conferidas aqui, e, se você analisar o histórico da taxa Selic, vai perceber que ela já atingiu índices mais altos e, neste instante, segue com uma tendência de queda.

A Selic e sua relação com os investimentos

Agora que você já sabe o que é a taxa Selic e os impactos na sua vida, vamos explicar os efeitos que ela traz para os investimentos. Quando a Selic está em baixa, os investimentos de renda fixa — como a poupança — sofrem mudanças na sua taxa de juros, o que reduz o rendimento.

A poupança tem uma regra simples de funcionamento. Ela sempre vai render 70% da Selic, enquanto a taxa estiver abaixo de 8,5% ao ano. Atualmente, ela não atinge nem 3%, e é bem provável que continue baixa, com isso, as poupanças apresentam baixo rendimento.

Veja esses números para ter uma ideia mais clara:

  1. Em 2019, o rendimento anual da poupança foi de 4,34%;
  2. A inflação acumulada de 2019 foi de 4,48%.

Sabe o que isso significa? Que o seu dinheiro guardado na poupança em 2019 não rendeu o suficiente para superar a inflação, o que significa que guardar dinheiro na poupança é fazer com que ele perca valor!

Deixar dinheiro parado na poupança hoje é um péssimo negócio em termos de investimento. O ideal é buscar algum outro produto que consiga oferecer um rendimento melhor e a mesma segurança.

Nós temos duas soluções para esse dilema:

  1. Deixar seu dinheiro na conta PagBank, que rende 100% do CDI;  .
  2. Aplicar em um CDB PagBank, que tem rentabilidade de até 150% do CDI.

A conta PagBank utiliza o CDI como base de rendimento e funciona assim: rende 100% do CDI até R$ 1.000,00, e 5% do CDI sobre o saldo acima de R$ 1.000,00.

Já os nossos CDBs — que também são calculados com base no CDI — apresentam índices superiores, entre 100 e 150 porcento do CDI. Na modalidade de 150% do CDI, a rentabilidade é 57% maior do que a poupança.

Quero investir, onde começo?

Se a sua intenção é aplicar uma grana em algo que consiga superar a inflação e trazer ganho real para o seu bolso, existem diversas opções, desde o mercado de ações até os investimentos de renda fixa.

Aplicar na bolsa de valores pode trazer possibilidade de rendimentos mais atrativos que as opções de renda fixa, como os CDBs. Porém, como a bolsa está sujeita a sofrer uma série de oscilações, ela tende a oferecer um risco mais alto para quem está aplicando. Por isso, para se dar bem é preciso ter um bom conhecimento do mercado financeiro.

Sendo assim, se você pretender conciliar segurança, tranquilidade e praticidade, o ideal é buscar a renda fixa.

O CDB é um excelente produto para aplicar. Ele tem rentabilidade com base no CDI e não é preciso ter uma grande quantia para começar. Com R$500 é possível aplicar nos CDBs PagBank que rendem entre 100 e 103% do CDI, incluindo o CDB de Liquidez Diária, que é ideal para montar sua reserva de emergência.

Quer investir um pouco mais e maximizar seus ganhos? Conheça os outros CDBs do PagBank com rendimentos de até 150% CDI.

Para aplicar nos CDBs PagBank não tem segredo, basta baixar o super app, criar sua conta totalmente grátis, completar a habilitação de segurança e acessar “Minhas Aplicações” na aba produtos, para conferir todos os CDBs disponíveis.

E não se esqueça que só de deixar o seu dinheiro na conta PagBank, sem aderir a nenhuma aplicação, ele já está rendendo mais que a poupança. Ao administrar seu dinheiro no super app, todos os valores ficam concentrados em uma conta que rende 100% do CDI, e que oferece várias vantagens:

  1. Cartão Internacional grátis, sem tarifa nem anuidade;
  2. Opção de usar o QR Code como forma de pagamento para compras seguras e sem contato;
  3. Possibilidade de recarregar o seu celular rapidamente direto pelo aplicativo;
  4. TEDs grátis e ilimitadas.

Que tal começar a administrar sua grana em uma conta que rende mais que a poupança e que oferece para você CDBs que rendem até 150% do CDI?

Agora que você já sabe tudo sobre Selic, ficou mais claro que a poupança não vai ajudar muito nos seus planos de economia, não é mesmo? Deixa que a gente resolve isso para você, abra sua conta no PagBank!