Carteira de investimentos: o que é e qual a importância de criar a sua

Resumo do texto

  • Aprenda o que é uma Carteira de Investimentos;
  • Saiba como ela ajuda a diversificar aplicações e alcançar seus objetivos;
  • Conheça as carteiras de investimentos disponíveis no PagBank!

 

Ter uma carteira de investimentos é a melhor forma de diversificar as aplicações. Porém, muitas pessoas que querem começar a investir têm dúvidas de como montar a sua.

Para te ajudar, criamos esse post com as principais informações sobre o assunto. Aqui você vai aprender o que é uma carteira de investimentos, como montar a sua e qual a importância de diversificar as aplicações na sua carteira.

Boa leitura!

Artigos que podem ser do seu interesse:

Entenda tudo sobre as Carteiras de Investimentos

O que é uma carteira de investimentos?

De maneira geral, uma carteira de investimentos é como se fosse uma cesta onde você coloca todas as suas aplicações financeiras. Ela é o conjunto de todos os investimentos que uma pessoa possui.

Essa carteira de investimentos deve ter uma boa estratégia para aumentar a rentabilidade das suas aplicações, por isso, escolher bem os investimentos que vão entrar na “cesta” faz toda a diferença nos resultados.

É muito importante que essa “cesta” seja composta por diversos produtos, trazendo diversificação. Diversificar os investimentos é a melhor forma de trazer mais segurança para seu dinheiro.

Diferente do que algumas pessoas pensam, não é preciso muito dinheiro para criar uma carteira. Hoje em dia é possível encontrar opções que cabem no seu bolso e que oferecem vantagens interessantes. Existem muitas possibilidades, tanto em renda fixa quanto renda variável, para você investir com pouco.

5 etapas para montar sua carteira de investimentos

Todo investidor precisa entender quais os principais passos para criar uma carteira de investimentos que esteja de acordo com seus objetivos. São esses passos que vão ajudar a definir quais investimentos vão entrar na sua cesta de aplicações.

Veja as cinco etapas que você precisa levar em conta na hora de montar sua carteira.

1. Avalie seu perfil de investimento

A primeira etapa para ter uma carteira de investimentos inteligente é entender qual seu perfil de investidor. Ele pode ser iniciante, conservador, moderado ou experiente, vai depender de seus objetivos do seu momento de vida.

O perfil do investidor é uma classificação para as pessoas que aplicam seu dinheiro. Funciona como um teste que está ligado ao risco que cada um está disposto a assumir, além de outros fatores, como:

  • objetivos;
  • prazo para resgate das aplicações;
  • idade e situação financeira;
  • nível de conhecimento do mercado financeiro.

2. Determine os objetivos do investimento

Saber quais são seus objetivos é muito importante para escolher quais aplicações irão fazer parte da sua carteira.

Por isso, é importante definir as metas e conquistas que quer alcançar ao investir. Elas podem variar bastante, tudo depende do seu desejo. Veja alguns exemplos:

  • garantir uma renda melhor após aposentadoria;
  • investir para pagar a faculdade dos seus filhos;
  • comprar uma casa antes do 50 anos;
  • fazer uma viagem especial.

Depois de entender onde quer chegar, é preciso pensar em como ir até lá. É nesta etapa que se começa a pensar em quais investimentos devem estar na carteira para conseguir atingir esses objetivos.

3. Analise o prazo de resgate

Alguns investimentos contam com prazos mínimos de permanência na aplicação. Isso significa que você não terá liquidez antes do fim da carência. Existem também os prazos de vencimento. Quando um investimento atinge sua validade, o dinheiro volta para a conta do investidor.

É importante conhecer esses prazos antes de escolher as aplicações da sua carteira de investimentos, assim será possível fazer uma previsão de acesso ao dinheiro.

4. Atente-se ao risco

O risco está ligado com o retorno e vários fatores influenciam na hora de ter ou não um bom retorno, como fatores políticos e sociais.

Por isso, na hora de compor sua carteira de investimentos é ideal ficar atento aos riscos da aplicação, levando em conta seus objetivos e o prazo em que pretende resgatar o dinheiro.

Geralmente, investimentos que apresentam alta rentabilidade contam também com maiores riscos, enquanto os de menor rentabilidade tendem a ter riscos mais baixos. Isso não é uma regra, mas é o cenário comum.

5. Estipule o valor investido

A última etapa para criar a sua carteira de investimento é decidir a quantia que você vai aplicar por mês.

O valor deve estar de acordo com o seu orçamento pessoal e também com o objetivo definido.

Se der, aumente um pouquinho e, em meses onde a grana apertar, não tenha medo de reduzir. 

Aqui a constância é mais importante do que o valor investido, o essencial é sempre enviar um dinheirinho para a sua carteira de investimentos.

Por que os especialistas sempre falam em diversificar investimentos?

Ter uma carteira diversificada é a recomendação de 11 em cada 10 especialistas do mercado financeiro por diversas razões. A principal delas é, sem dúvida, buscar o máximo de rentabilidade com o mínimo de risco no longo prazo.

Isso é muito importante, mas não se esqueça que é necessário investir uma parte do seu dinheiro em aplicações de alta liquidez, já que pode surgir uma situação onde você precise de dinheiro rápido.

O investidor que conta com uma carteira de investimentos diversificada tem a segurança de reduzir as variações na rentabilidade. É aquele famoso ditado: nunca coloque todos os ovos na mesma cesta.

Como saber se minha carteira é diversificada?

A diversificação é a chave para uma carteira de investimentos bem feita. Veja a seguir as principais maneiras de diversificar suas aplicações.

1. Quantos investimentos você tem na carteira?

Sua carteira de investimento só tem Tesouro Direto? Apesar de ser um investimento seguro, a carteira está longe de ser diversificada.

Quanto mais aplicações financeiras você possui, mais diversificada está sua carteira. Quer ver um exemplo? 

2. Exemplo de carteira diversificada

  • 20% em ações da bolsa;
  • 60% em aplicações de renda fixa, como os CDBs, Tesouro Direto e Fundos de Renda Fixa;
  • 20% em Fundos Multimercado.

3. Tipos de Investimentos

Uma carteira de investimentos variada precisa ter ativos diferentes, mesclando renda fixa e renda variável. Sua carteira pode conter: 

  • Renda Fixa, como CDB;
  • Ações;
  • BDR;
  • Fundos de renda fixa;
  • Fundos de ações;
  • Fundos Multimercado.

Distribuindo o dinheiro em vários tipos de investimentos, é possível ter segurança extra e potencial de rentabilidade.

4. Setores dos Investimentos

Se você possui ações de dez empresas, mas todas elas são de bancos, você está colocando todos os ovos na mesma cesta.

Afinal, todo seu dinheiro está no setor bancário. Por isso, o ideal é escolher ações de diferentes setores como energia, mineração e varejo.

5. Diversificar geograficamente

Aqui a chave é investir em outros países. Saiba que aplicar dinheiro no exterior é muito simples, e pode ser feito aqui mesmo no Brasil. 

Existem investimentos, como os BDRs, que são aplicações em renda variável que trazem recibos de ações de outros países.

Assim é possível potencializar seu rendimento e se proteger caso o mercado brasileiro esteja em queda. Os investimentos internacionais podem trazer equilíbrio para suas aplicações.

Conheça as carteiras de investimento do PagBank

Quer aplicar seu dinheiro, mas sempre fica na dúvida sobre quais são as melhores opções? Para te ajudar a investir com sabedoria, o PagBank criou as carteiras mensais de ações.

Nosso time de especialistas faz a indicação de três carteiras distintas, oportunidades em: FIIs, ETFs, ações e BDRs, para diversificar suas aplicações e fazer suas economias renderem com segurança.

Caso prefira acompanhar semanalmente, acesse nosso material com as carteiras mais interessantes de cada semana.

Comece a investir agora pelo super app PagBank!

“Este canal tem como única intenção fornecer um panorama sobre as diferentes categorias de produtos de investimentos disponíveis no mercado. Os conteúdos não têm o objetivo de oferecer análise de valores mobiliários ou recomendações de investimento, considerando que os produtos apresentados podem não ser adequados aos objetivos, situação financeira ou necessidades individuais de cada usuário. O PagSeguro PagBank se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que decorram da utilização de seu conteúdo, bem como por eventuais informações fornecidas por terceiros, que não expressam a opinião do PagSeguro PagBank. As projeções e preços apresentados estão sujeitos a variações e as informações podem não estar atualizadas no momento exato da consulta do material. Antes de tomar qualquer decisão, é recomendado que o leitor busque orientação financeira independente e leia atentamente os materiais técnicos relativos a cada produto.”