Declaração de investimentos no Imposto de Renda: tudo o que você precisa saber

Resumo do texto

  • Confira quem deve realizar a Declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física;
  • Descubra quais informações deve conter para evitar problemas de fiscalização;
  • Veja também como informar e identificar seus investimentos na declaração.

 

Todos os anos milhares de brasileiros realizam a declaração do Imposto de Renda. O IR é um tributo cobrado das Pessoas Físicas (IRPF) e Jurídicas (IRPJ) e seu cálculo leva em consideração salários, investimentos, heranças e outros bens.

Trata-se de um imposto que depende de declaração, ou seja, cada Pessoa Física é responsável por repassar todas as informações à Receita Federal (que é o órgão fiscalizador) e quem não cumpre com a obrigação fica sujeito a penalidades como multas e outros problemas com a receita.

Por isso, veja agora algumas informações básicas e essenciais sobre o Imposto de Renda e tire suas dúvidas sobre como as aplicações financeiras são informadas na sua declaração.

Veja Como Declarar Investimentos no Imposto De Renda

Antes de mais nada: quem precisa declarar Imposto de Renda?

Nem todo mundo precisa pagar Imposto de Renda. A Receita Federal tem algumas regras para determinar quem deve recolher IR. Pagam as pessoas que:

  1. Receberam rendimentos tributáveis (como salário ou aluguel) que ultrapassam a soma de R$ 28.559,70;
  2. Receberam rendimentos isentos e não tributáveis (ex: caderneta de poupança e heranças), rendimentos tributáveis ou rendimentos tributados direto na fonte (ex: aplicações financeira) que ultrapassam R$ 40 mil;
  3. Tiveram lucro na venda de bens (imóveis ou veículos, por exemplo) sujeitos à tributação;
  4. Realizaram operações na bolsa de valores;
  5. Trabalharam no campo e obtiveram receita bruta maior que R$ 142.798,50;
  6. Tinham bens ou direitos superiores a R$ 300 mil em seu nome ao final do ano anterior;
  7. Tornaram-se residentes no Brasil até o fim do ano fiscal;
  8. Vendeu um imóvel e comprou outro num prazo de 180 dias, usando a isenção de Imposto de Renda no momento da venda.

Isenção do IR

Se você não se encaixa em nenhuma das regras acima, você está dispensado de entregar a declaração do Imposto de Renda. Para o ano de 2022 pessoas com rendimento inferior a R$ 28.559,70 foram consideradas isentas. Existem mais algumas regras de exclusão — a maioria delas são relacionadas a doenças graves. Para conferir todas as regras de exclusão, vale visitar essa página do site da Receita.

Restituição do IR

A restituição do Imposto de Renda em 2022 será dividida em 5 datas e terá o início do pagamento no mês de maio:

  • 31 de maio;
  • 30 de junho;
  • 29 de julho;
  • 31 de agosto;
  • 30 de setembro.

Como declarar o Imposto de Renda?

As declarações são todas feitas pelo programa digital da Receita Federal, que pode ser baixado direto no site do órgão, ou através do app para Android e iOS. Algumas pessoas optam por contratar contadores para fazer esse processo, porém, mesmo este profissional irá fazer tudo no sistema da Receita.

Existem dois tipos: simplificada e completa. Depois de preencher todas as informações pedidas no sistema da Receita, a pessoa pode escolher entre os dois tipos de declaração, inclusive tendo a opção de escolher aquela que gera menos tributação ou mais restituição.

Declaração simplificada

Na declaração simplificada, a dedução é feita sobre um valor fixo, que é 20% da base de cálculo, com teto de R$ 16.754,34 (quantia válida para declaração referente ao ano-calendário de 2020, entregue em 2021). Geralmente, essa opção é escolhida por pessoas quem não tem muitas despesas que podem ser abatidas (como consultas médicas, pagamento de escolas, plano de saúde etc).

Declaração completa

Já a declaração completa informa cada gasto com as despesas que podem ser deduzidas, e o programa faz o restante. Geralmente, as pessoas que possuem muitos gastos que podem ser deduzidos do IR optam por esse tipo de declaração (ex: consultas médicas, plano de saúde, dependentes).

O que eu preciso ter em mãos para fazer a declaração?

Na hora de fazer a sua declaração, não se esqueça dos seguintes documentos:

  1. Declaração de IR do ano anterior;
  2. Números dos seus documentos de identificação;
  3. CPF dos dependentes (se tiver);
  4. Informes de rendimentos (deve ser pedido para as empresas que você trabalha/trabalhou durante o ano a que se refere a declaração);
  5. Recibos de despesas médicas e comprovantes de despesas com educação;
  6. Documentos sobre seus bens (escritura de imóvel, documento de posse do carro, notas fiscais etc);
  7. Informes de rendimentos financeiros (deve ser fornecido pelas instituições (bancos, corretoras, instituições de pagamento, etc) onde você possui contas bancárias, poupanças e investimentos, aplicações, etc.).

Como faço para declarar meus investimentos?

Na hora do preenchimento da sua declaração, todos os documentos sobre investimentos precisam estar nas suas mãos. Quando você pede os informes para as instituições (ex. bancos, corretoras, instituições de pagamento, etc.), essas informações já estarão lá, basta você inseri-las na declaração no campo correspondente.

Quem ganhou dinheiro e fez operações financeiras, mesmo aquelas que não estão sujeitas à tributação do IR, precisa declarar essas informações.

Exemplos de aplicações sem tributação de IR

  1. Poupança;
  2. LCI;
  3. LCA;
  4. CRI;
  5. CRA.
  6. Debêntures incentivadas.

Exemplos de investimentos com tributação de IR

  1. Tesouro Direto;
  2. CDB;
  3. RDB;
  4. Letras de Câmbio;
  5. Debêntures comuns;
  6. Alguns Fundos de Investimentos.

Como identificar esses investimentos?

Todos eles devem ser informados na ficha de “Bens e Direitos”, de acordo com o código específico. Confira-os abaixo:

Deslize para mais informações
Código da ficha de bens e direitos Tipo de investimentos Quando preciso declarar?
01 Poupança. Se o saldo no final do ano fiscal foi maior que R$ 140,00
02 Aplicação de renda fixa (CDB, RDB e outros). Se o saldo no final do ano fiscal for maior que R$ 140,00
05 Ouro, ativo financeiro. Se você adquiriu R$ 1.000 ou mais
04 Mercados futuros, de opções e a termo. Se você adquiriu R$ 1.000 ou mais
01 Fundo de curto prazo. Se o saldo no final do ano fiscal foi maior que R$ 140,00
10 Fundo de Longo Prazo e Fundo de Investimentos em Direitos Creditórios (FIDC). Se o saldo no final do ano fiscal foi maior que R$ 140,00
03 Fundo de investimento imobiliário. Se o saldo no final do ano fiscal foi maior que R$ 140,00
04 Fundo de ações, fundos mútuos de privatização, fundos de investimento em empresas emergentes, fundos de investimento em participação e fundos de investimentos de índice de mercado. Se o saldo no final do ano fiscal foi maior que R$ 140,00
99 Outros fundos. Se o saldo no final do ano fiscal foi maior que R$ 140,00

Atenção: no momento de declarar ativo financeiro, ouro e mercados futuros, preste atenção ao campo Discriminação. Lá devem ser informados mais alguns dados importantes para a receita.

Declare seu IR com segurança e tranquilidade

Declarar seus investimentos é mais simples do que você imagina! A única coisa que você precisa é ter bastante atenção com cada um dos campos de informação do sistema da Receita Federal. Aliás, sua conta PagBank também deve ser declarada, por isso, separamos um conteúdo sobre a forma de emitir seu informe de rendimentos dentro do super app. Confira e tire suas dúvidas

Com os CDBs PagBank, por exemplo, você só precisa declarar o rendimento do seu dinheiro. Como o imposto é retido na fonte, o próprio PagBank recolhe a alíquota de IR sobre o rendimento no momento do resgate, conforme previsto na tabela regressiva e você não paga nada a mais.

O mesmo acontece com os títulos do Tesouro Direto. O IR é recolhido no momento do resgate e o investidor só precisa declarar.

Já em alguns Fundos de Investimentos, o IR é recolhido no último dia útil dos meses de maio e novembro através do sistema come-cotas. Essa dedução é feita automaticamente. Também no momento do resgate será recolhido o IR de acordo com a alíquota final. Os Fundos de Ações não possuem come-cotas.

Vale lembrar que em todos esses casos o imposto recolhido é sobre o rendimento da aplicação, e não o valor total investido. 

E se você ainda não investe, que tal começar agora? Com o PagBank você tem à disposição uma conta que rende mais do que a poupança e diversas opções para aplicar seu dinheiro em CDBs, Tesouro Direto e Fundos de Investimento.

Conheça os Investimentos disponíveis no PagBank!

“Este canal tem como única intenção fornecer um panorama sobre as diferentes categorias de produtos de investimentos disponíveis no mercado. Os conteúdos não têm o objetivo de oferecer análise de valores mobiliários ou recomendações de investimento, considerando que os produtos apresentados podem não ser adequados aos objetivos, situação financeira ou necessidades individuais de cada usuário. O PagSeguro PagBank se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que decorram da utilização de seu conteúdo, bem como por eventuais informações fornecidas por terceiros, que não expressam a opinião do PagSeguro PagBank. As projeções e preços apresentados estão sujeitos a variações e as informações podem não estar atualizadas no momento exato da consulta do material. Antes de tomar qualquer decisão, é recomendado que o leitor busque orientação financeira independente e leia atentamente os materiais técnicos relativos a cada produto.”