Guia da renda variável: tudo que você precisa saber

Resumo do texto

  • Aprenda o que é renda variável;
  • Conheça os principais investimentos desse tipo;
  • Saiba como começar a aplicar.

 

Se você já pensou em investir em ações, então precisa entender sobre renda variável. Ela reúne diversos tipos de ativos que podem ter um bom potencial de rentabilidade. Porém, com grandes retornos também vêm alguns riscos de mercado.

Para te ajudar, criamos esse conteúdo que vai servir como um guia sobre os principais conceitos sobre essa opção de investimento.

Confira!

Outros artigos que podem ser do seu interesse:

Guia de renda variável

O que é Renda Variável? Tire todas as suas dúvidas!

Basicamente, renda variável são todos aqueles investimentos onde não é possível prever a rentabilidade, já que não há nenhum indicador em contrato. A maioria dos investimentos desse tipo são feitos na Bolsa de Valores.

Diferente da renda fixa, que são aplicações financeiras que contam com uma taxa definida no momento da contratação, a da renda variável depende das movimentações do mercado e condições econômicas.

Por exemplo, se você investir no Tesouro Selic, já sabe que a rentabilidade está atrelada à taxa Selic, então, desde o início da aplicação o investidor tem o valor do ganho ao final.

Na renda variável, não há nenhuma previsão. Se o investidor comprar ações de uma determinada empresa, ele pode ganhar dinheiro através do aumento da lucratividade dela.

No entanto, não dá para saber quanto ele irá ganhar e nem garantir se haverá retorno, pois pode haver uma queda no preço das ações que comprou fazendo com que elas se desvalorizem.

É por conta disso que aplicações desse tipo apresentam maiores riscos, pois a pessoa não tem como saber exatamente se terá lucro ou prejuízo. Entretanto, a partir da análise de algumas tendências e movimentos do mercado é possível traçar alguns planos para reduzir a porcentagem de perdas ou aumentar as oportunidades de lucro.

Contudo, fazer essas análises requer tempo e conhecimento, então, é natural que os investidores fiquem em dúvida sobre quais ativos em renda variável escolher.

Conheça a nossa carteira sugerida de renda variável!

Vantagens e desvantagens da Renda variável

Assim como todo tipo de aplicação financeira, a renda variável conta com vantagens e desvantagens. Então, será que vale a pena investir? Essa decisão é pessoal, porém, para te ajudar, listamos a seguir os principais pontos desse mercado.

Vantagens: 

  • Mais rentabilidade: se comparado com a renda fixa, é possível ter ganhos muito maiores;
  • Facilidade: esqueça aquela gritaria da bolsa de valores que é retratada em alguns filmes. Para investir em renda variável, basta ter uma conta em um banco com uma plataforma de Home Broker e escolher os ativos que você quer investir;
  • Liberdade: você pode vender seus ativos de renda variável a qualquer momento, sem ficar preso aos prazos da renda fixa. No entanto, pode acontecer de não vender pelo preço desejado;
  • Diversificação: muito além do mercado de ações, na renda variável existem diversas opções para diversificar sua carteira, desde opções no exterior até criptomoedas.

Agora, confira algumas desvantagens: 

  • Maior risco: o investidor pode não ter nenhuma rentabilidade ou ainda perder parte do dinheiro investido. Independente do ativo escolhido para aplicar, existem chances de ganho e também a possibilidade de lidar com perdas;
  • Oscilação dos ativos: pode acontecer de você comprar uma ação que está em alta no momento e, no próximo mês, apresentar perda. No entanto, o contrário também ocorre;
  • Complexidade: fazer o investimento em renda variável em si é fácil, o que complica, principalmente para os iniciantes, é a escolha do produto. Entre tantas oportunidades, é preciso um bom conhecimento sobre o mercado para fazer escolhas certeiras;
  • Custos: existem bem mais custos para investir em renda variável como taxas sobre operações, taxa de corretagem e taxa da B3, além do Imposto de Renda.

Como saber se a Renda Variável é para mim?

Responder a esta pergunta depende de diversos aspectos. O primeiro deles é entender qual é o seu perfil de investidor. Isso tem a ver com o risco que cada um está disposto a assumir com seus investimentos.

Quem é iniciante ou conservador, por exemplo, não quer os riscos do mercado da renda variável, então, é melhor ficar longe de investimentos desse tipo. Para esses investidores também pode ser mais interessante estudar o mercado por um tempo até ganhar mais confiança.

Outro ponto muito importante é ter sua reserva de emergência montada antes de investir em renda variável. Essa dica vale para investidores de todos os perfis.

De maneira geral, saber se a renda variável faz sentido para você tem tudo a ver com seus objetivos. Saber onde quer chegar com seus investimentos é essencial antes de operar nesse mercado.

Como funciona a rentabilidade na Renda Variável?

Na renda fixa existem as rentabilidades pré-fixada, pós-fixada e híbrida. Nelas, o investidor sabe exatamente ou tem uma previsão de quanto dinheiro será resgatado no prazo final da aplicação.

A renda variável não conta com nenhuma dessas “garantias”. Isso acontece, pois as aplicações desse tipo têm sua rentabilidade atrelada a fatores externos, dependendo da situação econômica e política do país. Além de como está o desempenho de determinado setor e até a forma que uma empresa está funcionando.

Uma crise no setor de siderurgia, por exemplo, pode impactar as ações de companhias desse mercado, assim como uma alta pode valorizar os ativos. Assim como questões com a política internacional e mudanças no câmbio também influenciam de maneira positiva ou negativa o desempenho de ativos de renda variável.

Outro ponto é que ações não têm um prazo de vencimento, já que são criadas para perpetuidade, ou seja, elas não “acabam” como um investimento de renda fixa.

Qual a liquidez dos investimentos em renda variável?

Liquidez é o tempo que você precisa esperar para transformar o valor investido em dinheiro na sua conta. E no caso da renda variável, vai variar muito de acordo com cada ativo.

As ações de uma empresa, por exemplo, podem ter liquidez alta ou baixa. Se você tiver papéis de uma companhia com alto valor de mercado, é possível realizar a venda e ter o dinheiro em sua conta em até dois dias. Isso tem a ver com a oferta e a demanda. Por serem bastante procurados pelos investidores, é mais fácil vender, porém, pode ser que o preço esteja mais baixo do que o de compra.

Já ações que têm menor valor de mercado podem ter a liquidez mais baixa, pois a procura por elas é menor. Isso significa que pode levar mais tempo para vender.

Termos sobre renda variável que você precisa conhecer antes de investir

Veja alguns conceitos e termos do mercado de renda variável neste mini dicionário.

B3

É a Bolsa de Valores do Brasil. O nome B3 significa “Brasil, Bolsa, Balcão”, empresa responsável por administrar todas as negociações de renda variável e algumas de renda fixa. É nela que são negociados os ativos de renda variável.

Dividendos

Os dividendos são uma parte do lucro das empresas que têm ações. Esse valor é distribuído entre os acionistas. 

Geralmente nas companhias, os sócios recebem uma parte do lucro do negócio. Já nas que fazem parte da B3, o saldo positivo é distribuído por meio dos dividendos.

Saiba tudo sobre como funciona os dividendos!

Home Broker

O Home Broker é o principal meio para acessar a B3. É um sistema online onde é possível fazer negociações de compra e venda de ativos de forma segura, simples e rápida.

Ibovespa

É o Índice da Bolsa de Valores do Brasil que mede o desempenho das ações mais negociadas.

Pregão

É o momento em que a bolsa de valores está aberta para operações de compra e venda de ativos. Um investidor pode fazer uma ordem de compra ou venda em qualquer horário do dia, mas essa ordem só será feita durante o horário do pregão.

Quais são as opções para investir em Renda Variável?

Muito além de ações de empresas, conheça os principais ativos de renda variável negociados na Bolsa de Valores.

Ações

Sendo o mais conhecido investimento de renda variável, as ações são um pedacinho de uma empresa. Ao comprar uma, o investidor se torna dono de parte da companhia, como um sócio. 

Adquirindo uma ou mais, ele tem direito a parte do lucro. Esse lucro são os dividendos e são proporcionais à quantidade de ativos que ele possui. Entretanto, não são todas que pagam.

Saiba mais sobre ações.

Fundos Imobiliários

São fundos de investimentos que juntam dinheiro vindo de diversos investidores (cotistas), e é gerenciado por um gestor que determina quais aplicações serão feitas com o valor das cotas.

A maioria dos fundos imobiliários reúnem verba para comprar ou construir imóveis que depois serão alugados, gerando um retorno financeiro. Esse retorno é o lucro e ele será distribuído entre as pessoas que investiram no fundo.

Também é possível ter um retorno financeiro a partir da venda das cotas do fundo.

Aprenda mais sobre fundos de investimentos neste post.

ETF

Também chamados de Fundos de Índice, os ETF são fundos de investimento em renda variável ou renda fixa. O objetivo é replicar o resultado de algum índice da Bolsa de Valores (como o Ibovespa) ou outros indicadores. Se o índice sobe, o ETF também sobe, e vice-versa.

Os ETF aplicam o dinheiro em ações e vários outros ativos da bolsa, como renda fixa e até mesmo criptomoedas. Assim como em todo tipo de fundo, eles contam com a gestão de um especialista, que é quem escolhe quais aplicações serão feitas.

Conheça mais sobre ETF.

BDR

Sigla para “Brazilian Depositary Receipt” (Certificado de Depósitos de Ações), os BDR representam recibos de ações que são negociadas nas Bolsas de Valores de outros países.

Investir neste tipo de renda variável é uma forma prática dos brasileiros aplicarem seu dinheiro em empresas do mundo todo sem precisarem abrir uma conta em banco ou corretora de outro país. Além disso, dá para investir em empresas como Google, Apple, Facebook e até Disney.

Saiba mais sobre BDR.

Renda Variável: atenção aos custos e imposto de renda!

Existem duas taxas para investir em renda variável: a taxa da B3 e a taxa de corretagem. 

A primeira deve ser paga para a Bolsa de Valores e ela é referente a cada operação de compra e de venda. Variando de acordo com a negociação e o valor total investido.

Já a taxa de corretagem, é um valor cobrado por alguns bancos e corretoras por cada operação de compra e venda feita no Home Broker. Outro ponto de atenção é o Imposto de Renda. As operações feitas na Bolsa de Valores não contam com todo o imposto retido na fonte, somente uma parcela, por isso, o investidor precisa emitir o DARF (Documento de Arrecadação de Receitas Federais).

Esse imposto deve ser pago somente em cima da rentabilidade, e não sobre o valor total da aplicação. Sendo assim, o investidor paga o IR somente em operações de vendas que tiveram lucro.

Veja as situações onde é preciso pagar DARF: 

  • Ações vendidas por R$20 mil ou mais;
  • Compra e venda de ações no mesmo dia (operações day trade);
  • BDR em qualquer momento de venda;
  • ETFs de renda variável;
  • Fundos Imobiliários em qualquer momento de venda.

Para emitir o DARF, você precisa acessar o site da Sicalc e clicar em preenchimento rápido.

Pronto para começar a investir em renda variável?

No super app você encontra várias opções de investimentos deste mercado, através do Home Broker PagBank. As quatro primeiras operações são gratuitas!

Feitas as quatro operações, as taxas serão as seguintes:

  • R$ 2,99 na modalidade swing trade: nesse tipo, é possível fazer a compra de uma ação na B3 e vender em questão de dias, semanas ou meses;
  • R$ 1,99 na modalidade day trade: nesta categoria a ação é comprada na B3 e vendida no mesmo dia.

Para começar é muito simples, basta seguir os passos a seguir:

  1. no Menu Principal, acesse a opção Produtos e Investimentos;
  2. clique em Aplicar meu Dinheiro;
  3. confira as opções de Renda Variável;
  4. aloque dinheiro (mande o dinheiro para o Home Broker)
  5. faça sua escolha e clique em Investir.

Pronto! A ordem de compra será feita, é só acompanhar a aplicação pelo celular.

Encontre as melhores opções de investimento e inicie suas operações com muita facilidade e com a segurança que só nós podemos oferecer.

Conheça os investimentos disponíveis no PagBank!

“Este canal tem como única intenção fornecer um panorama sobre as diferentes categorias de produtos de investimentos disponíveis no mercado. Os conteúdos não têm o objetivo de oferecer análise de valores mobiliários ou recomendações de investimento, considerando que os produtos apresentados podem não ser adequados aos objetivos, situação financeira ou necessidades individuais de cada usuário. O PagSeguro PagBank se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que decorram da utilização de seu conteúdo, bem como por eventuais informações fornecidas por terceiros, que não expressam a opinião do PagSeguro PagBank. As projeções e preços apresentados estão sujeitos a variações e as informações podem não estar atualizadas no momento exato da consulta do material. Antes de tomar qualquer decisão, é recomendado que o leitor busque orientação financeira independente e leia atentamente os materiais técnicos relativos a cada produto.”