Entenda o que é inflação e como ela afeta o seu bolso

Resumo do texto

  • Entenda melhor como a inflação funciona e afeta seu bolso;
  • Conheça os motivos que levam ao aumento dela;
  • Entenda a relação entre a alta dos preços e a taxa Selic.

Baixe grátis o super app PagBank!

 

A inflação sempre ocupa as páginas dos jornais e os noticiários da TV. Mas você sabe o que ela significa? Ela é a alta geral nos preços, que afeta desde compras no supermercado até aluguéis de imóveis.

Na verdade, seus efeitos são sentidos em todos os produtos e serviços e impactam até mesmo os investimentos. Neste post separamos tudo de mais importante sobre a inflação e seu funcionamento. Acompanhe!

O que é inflação?

Imagine que você foi ao mercado fazer compras e gastou R$ 200 para comprar carne, frutas, feijão e produtos de limpeza. Um mês depois você voltou e gastou R$ 250 para comprar as mesmas coisas.

Isso significa que tudo subiu de preço. Algumas coisas mais, outras menos. Isso é a inflação, uma alta de preços que afeta praticamente todas as categorias de produtos e serviços.

Os preços variam de formas diferentes, veja o exemplo. Em 2021, no período de janeiro a agosto, o botijão de gás sofreu aumento de 23,79%, enquanto o arroz foi o recordista, subindo 76,1% no ano de 2020.

Mas é importante destacar que os produtos têm peso diferentes no cálculo do IPCA, que é o índice que mede a inflação. Um aumento no preço dos combustíveis, por exemplo, pesa mais no índice do que a elevação de preço do tomate.

Como a inflação impacta o seu bolso?

O dinheiro perde valor com a inflação em alta. Como o aumento da renda não acompanha as variações, as pessoas perdem o chamado poder de compra.

Quando os preços sobem, surge o desafio de manter o padrão de vida ganhando a mesma coisa, o que não é tão fácil. Por isso, a tendência é que as famílias gastem menos, façam cortes nas despesas e tenham dificuldades para economizar.

O que causa a inflação?

Existem três razões básicas para explicar o aumento da inflação. Neste tópico vamos explicar duas delas, acompanhe.

Desequilíbrio entre oferta e demanda

Primeiro, precisamos entender a chamada “lei da oferta e da demanda”. Se a procura por um produto cresce, o preço sobe. Na situação contrária, acontece o mesmo. Se a procura por um produto diminui, seu preço também cai.

Para exemplificar: se a economia vai bem e todas as pessoas querem trocar suas geladeiras por uma moderna, é possível que as lojas e os fabricantes não deem conta da demanda. Então, com procura alta e poucas geladeiras no mercado, o resultado é o aumento de preço.

Aumento rápido dos custos de produção

Isso acontece quando um setor da economia sofre com altas no custo de produção, de salários e impostos ou quando acontece acúmulo de dívidas. Todos esses custos são repassados para os consumidores finais.

Neste caso, os preços sobem e, por consequência, a inflação também.

Um bom exemplo envolve os combustíveis. O preço deles tem relação com o dólar e o preço internacional do barril de petróleo. Se o valor do barril sobe, o preço do combustível pago pelo consumidor sobe também.

O aumento no preço cobrado lá nos postos faz todo o transporte terrestre custar mais caro, então, todas as empresas que dependem desse serviço para distribuir seus produtos irão cobrar mais para repor o lucro perdido com a alta do combustível.

Inflação e taxa Selic: como funciona essa relação?

O terceiro motivo da alta da inflação tem a ver com a taxa básica de juros da nossa economia, a Selic.

É a partir dessa taxa que o Banco Central evita a circulação de dinheiro em excesso na economia para controlar a inflação. O governo não tem controle total, mas usa a Selic para frear o avanço.

Quando a taxa aumenta, fica mais difícil (e caro) ter acesso ao dinheiro por meio de empréstimos e financiamentos, então, a população tende a gastar menos. Com menos gente consumindo, os preços tendem a diminuir.

Na situação contrária, com a Selic em baixa, o consumo cresce e a inflação tende a aumentar.

Comece a investir agora e esteja preparado para momentos de alta da inflação

Estar preparado para momentos de inflação alta é fundamental. Com o preço de todos os produtos subindo, o ideal é ter uma reserva investida para que o dinheiro não perca valor e você consiga manter seu poder de compra.

Aplicar te dá as chances de ter um retorno que supera o impacto da inflação, assim, o dinheiro não sofre com a desvalorização, ou melhor, o investimento repõe o que foi consumido pela alta dos preços.

Que tal começar agora? 

Basta abrir o super app e conhecer os CDBs PagBank. Eles são aplicações de renda fixa com riscos baixos e garantia adicional do FGC e que rendem mais que o dobro da poupança.

Para aplicar é muito simples:

  1. abra o super app e clique na opção Produtos e Investimentos do menu inicial;
  2. clique em Aplicar meu dinheiro;
  3. clique na opção Renda Fixa;
  4. agora escolha entre as opções CDBs PagBank disponíveis no super app;
  5. em seguida, basta clicar em Investir.

Pronto! Investir com o super app é simples e rápido. Não se esqueça também que a própria conta PagBank já é um investimento melhor do que a poupança. Quer começar a aplicar para diminuir o efeito da inflação no seu bolso hoje mesmo?

Conheça os CDBs PagBank!

“Este canal tem como única intenção fornecer um panorama sobre as diferentes categorias de produtos de investimentos disponíveis no mercado. Os conteúdos não têm o objetivo de oferecer análise de valores mobiliários ou recomendações de investimento, considerando que os produtos apresentados podem não ser adequados aos objetivos, situação financeira ou necessidades individuais de cada usuário. O PagSeguro PagBank se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que decorram da utilização de seu conteúdo, bem como por eventuais informações fornecidas por terceiros, que não expressam a opinião do PagSeguro PagBank. As projeções e preços apresentados estão sujeitos a variações e as informações podem não estar atualizadas no momento exato da consulta do material. Antes de tomar qualquer decisão, é recomendado que o leitor busque orientação financeira independente e leia atentamente os materiais técnicos relativos a cada produto.”

  • Tags